Melancia irrigada tem boa produtividade em perímetro irrigado da Cohidro em Lagarto

06/01/2020 17:22

Mesmo com preço baixo, disputando com estoques do sul do país, produtividade na irrigação compensa investimento


Melancia irrigada tem boa produtividade em perímetro irrigado da Cohidro em Lagarto

Cultura agrícola de ciclo rápido, a melancia dá colheitas a cada 75 dias e surge como mais uma experiência de novas lavouras no Perímetro Irrigado Piauí, administrado pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe – Cohidro, em Lagarto. A ocupação ainda é pequena  – menos de dois hectares nos lotes de dois agricultores irrigantes que devem colher suas parcelas até o fim de janeiro – mas a produtividade apresenta bons índices, superando as 20 toneladas por hectare, dando destaque ao fruto no perímetro. O cultivo consorciado da melancia com o maracujá também está sendo uma aposta, após ter apresentado resultados positivos quando experimentado em consórcio com o amendoim e a batata-doce.

O irrigante Narciso Dória tem melancia em duas áreas plantadas em períodos diferentes, somando quase um hectare. A primeira está quase toda colhida. “A gente está vendendo barato, a R$ 0,30 o quilo, mas vai dar lucro porque rendeu bem. Eu acho que é porque resolvi plantar de 2 em 2m e com uma distância de 3m entre as linhas. No começo disseram que eu perdi muito espaço, mas surpreendeu todo mundo que vê, pela quantidade. Colhemos melancia com até 19kg! É uma área de 0,4ha e que deve passar das 8 toneladas”, estimou. Nessa área e na outra, de 0,6ha, ele conta que investiu R$ 3 mil. “Ou seja, a outra área praticamente vai ser só lucro”, completa o produtor, que vai cobrir todo investimento feito nas duas áreas só com colheita do primeiro plantio.

“Da primeira vez, limpamos duas vezes, deixando praticamente só os pés de melancia. Mas é bom ficar um pouco de mato para cobrir um pouco quando a melancia nascer, se não queima, porque o sol está muito quente. Aí eu deixei um pouco de mato no segundo plantio”, detalhou Narciso, que depois do milho do São João, decidiu ocupar todo o seu lote com irrigado no perímetro Piauí com a fruta. São em torno de 75 dias desde o plantio até o ponto de colheita. Segundo o gerente do perímetro irrigado Gildo Almeida, a Cohidro orienta os agricultores toda vez que decidem introduzir um plantio diferente, além de acompanhar o andamento das lavouras – trabalho que complementa o serviço prestado de fornecimento de água bruta para irrigação pelo seu sistema de bombeamento e distribuição.

Adelmo BispoA melancia surge como opção para conquistar mercados diferentes dos que são disputados entre outros irrigantes, como o da mandioca, do milho e da pimenta malagueta. “A gente orientou o produtor a fazer análise do solo para aplicar a adubação conforme a carência de nutrientes identificada. O resultado foi muito bom para essa primeira experiência. O mesmo é esperado para o Adelmo Bispo, que plantou a melancia em setembro e, em outubro, colocou o maracujá consorciado. No espaço entre linhas ficam as estacas com o arame esticado, para o maracujá crescer e produzir independente da melancia, que é rasteira. Mas as plantas mais novas aproveitam a mesma água e a adubação do primeiro fruto plantado”, explicou Gildo.

A área consorciada do irrigante Adelmo ocupa 0,6ha. A colheita da melancia está prevista para o próximo mês, enquanto a colheita do maracujá deve acontecer a partir de março. “O maracujá eu já planto há alguns anos, mas a melancia é a primeira vez. Sempre plantei maracujá, mas ficava limpando os ‘regos’ em vão. Aí decidi esse ano plantar melancia e gostei do plantio. Provavelmente em outros anos vou continuar”, relatou o produtor que, dispondo da irrigação diariamente, pôde aproveitar o espaço ocioso para complementar a renda que tira do lote. “Eu estou estimando colher entre 500 e 600 melancias. O preço de compra já esteve mais caro, em torno de R$ 0,50, mas como agora é safra, caiu um pouco”, concluiu.

Fonte: Ascom Cohidro

Compartilhe

Veja Também

Receba Notícias Pelo WhatsApp