Editorial: Chover no molhado

14/07/2019 17:02


Editorial: Chover no molhado

A temática deste comentário é dirigida de forma pontual à Saúde, mas não poderia deixar de mencionar as chuvas torrenciais que, inesperadamente, pelo volume, fizeram vir à tona, mais uma vez, os problemas centenários de nossa capital, especialmente, e, também, em todo o Estado de Sergipe. Todo compendio sobre urbanismo ressalta que nenhuma obra é feita para suportar a violência rigorosa de intempéries imprevisíveis da natureza. (Ao que se sabe, no Japão, ultimamente, como os terremotos são previsíveis, edifícios e residências são construídos para suportar os abalos sísmicos.)

O saneamento e a manutenção de suas finalidades não têm sido os pontos fortes das administrações públicas, porque são obras que ficam debaixo da terra e não atribuem visibilidade na hora das eleições, quando os candidatos se esbaldam em mostrar as obras realizadas, especialmente, se desejam recondução aos cargos.

Acresça-se a esta realidade conceitual, o crescimento demográfico e os núcleos e avanços desregrados de construções sem a necessária estrutura para enfrentar intempéries, especialmente aquelas que, de forma ilegal e geométrica, são feitas pela população mais carente, de maneira precária, sem qualquer ordenamento, na tora, criando fortins miseráveis para uma vida sub-humana. Diga-se de passagem, sob os olhares complacentes da administração pública.

E, nesse eito, a Saúde Pública vê-se a braços com problemas homéricos: depois das chuvas e de contar com o apoio humanitário que nessas horas aparece, com abrigos improvisados e assistência às necessidades mais prementes, volta tudo à vala comum.

Quando as águas baixarem, dos abrigos coletivos e degradantes, os assistidos preferem voltar à individualidade de seus barracos e casebres, agora ainda mais esvaziados pela destruição que as águas causaram aos seus minguados pertences.

Antes que tudo volte à uma normalidade consentida de vistas grossas ao que passou...

Em quanto o apelo de solidariedade que imagens recentes ainda ressoam no inconsciente coletivo...

Renove-se, enfaticamente, a convocação dos gestores públicos - que estiveram tão coesos nesses momentos tão dramáticos - à efetiva realização de um amplo programa conjunto de providencias, que nos permita dizer que, ao fazer este alerta  não estamos, mais uma vez, “chovendo no molhado”. 

Compartilhe

Veja Também

Receba Notícias Pelo WhatsApp